Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Em reviravolta, esquerda consegue ficar em primeiro na França

Em reviravolta, esquerda consegue ficar em primeiro na França


Em uma reviravolta, a coalizão de partidos de esquerda foi a mais votada nas eleições legislativas na França. O que impediu mais uma vez que a extrema-direita chegasse ao poder. Mas sem nenhum campo político conquistando maioria absoluta nas urnas, agora o país mergulha em um período de incerteza, até que negociações definam o novo primeiro-ministro. 

A esquerda francesa não escondeu a surpresa e a felicidade com o resultado das urnas, que também levou a protestos em paris e diversas cidades. Ninguém esperava que a nova frente popular ficaria em primeiro lugar. Muito menos que o Reunião Nacional, de extrema direita, ficaria em terceiro, depois de ter sido o mais votado no primeiro turno.

O resultado foi fruto de uma estratégia dos campos mais progressistas. Centenas de candidatos de centro e de esquerda, qualificados para o segundo turno, abriram mão da disputa para concentrar votos.

A Assembleia Nacional Francesa tem 577 assentos. O Reunião Nacional e aliados elegeram 142 parlamentares. O melhor resultado da história do movimento, mas que garantiu a eles o terceiro lugar. Em segundo, ficou o grupo do partido Renascentista, de centro, do presidente Emanuel Macron, com 150 cadeiras. E em primeiro, a Nova Frente Popular, que reúne diversos partidos da esquerda. Juntos, eles conquistaram 178 assentos. 

Nenhum grupo, porém, obteve maioria para indicar um primeiro-ministro. Agora, a esquerda, da mais moderada à mais radical, vai precisar negociar entre si. E com os centristas.

 Diante do impasse, o presidente Emanuel Macron pediu ao atual primeiro-ministro, Gabriel Attal, que permaneça no cargo até que um substituto seja indicado. Attal havia renunciado pela manhã.

 O resultado representou um revés para a líder de extrema direita Marine Le Pen que não poderá indicar Jordan Bardella como primeiro-ministro. Bardella acusou o presidente Macron de lançar a França nos braços da extrema esquerda. Mas classificou o resultado como a base sobre a qual irão construir futuras vitórias. Hoje, Bardella foi apontado como líder da extrema-direita no parlamento europeu.

Na política internacional, o primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez, em uma postagem, disse que essa semana, o Reino Unido e a França disseram sim ao progresso e ao avanço social e não ao retrocesso nos direitos e liberdades. Não há acordo ou governo com a extrema direita.

O primeiro-ministro da Polônia, Donald Tusk, escreveu: entusiasmo em Paris, decepção em Moscou, alívio em Kiev. O suficiente para ser feliz em Varsóvia. E o chanceler alemão, Olaf Scholz, disse que estava “aliviado” com os resultados, que espera negociações construtivas para a formação de um governo, no espírito de uma União Europeia forte.

Também pela internet, o presidente Lula se disse muito feliz com a demonstração de grandeza e maturidade das forças políticas da França, que se uniram contra o extremismo nas eleições legislativas. Esse resultado, assim como a vitória do Partido Trabalhista no Reino Unido, reforça a importância do diálogo entre os segmentos progressistas em defesa da democracia e da justiça social. Devem servir de inspiração para a América do Sul, disse ele.

* Com informações da Agência Reuters



Link da fonte aqui!